Coutada Azul-áurea

Não é a primeira vez que faço o elogio dos “media dos malucos”. Aqueles jornais, revistas, canais de televisão, que por vezes se esquecem do País em que laboram e se permitem – contra todas as expectativas – dizer o que lhes apetece, apenas porque é preciso ser dito.

E no universo dos media que não são “de referência”, encontram-se os jornais gratuitos. Ao que não é pago mas dado (supostamente) mão se reconhece valor…
Jornais este às vezes “malucos” também.

O Meia-Hora de hoje traz, por exemplo, algo que deveria fazer abanar os pilares da boa consciência nacional e não vi assim destacado noutros lados.

Vital Moreira, candidato socialista às eleições europeias, compara o Direito nacional e o europeu e conclui que como a Convenção Europeia dos Direitos do Homem traduz uma “visão libertária” da liberdade de expressão, deveria ser alterada para se aproximar ao que temos na nossa Constituição e na nossa legislação.

…É que lhe parece que em Portugal vai havendo – por contaminação europeia – “uma prevalência crescente da liberdade de expressão relativamente ao direito à honra e bom-nome.

Ora, por pontos:
1 – fica mal a Vital Moreira, no momento em que estamos, preocupar-se com tretas relativas como esta;
2 – sendo Vital Moreira o candidato que é, de quem é, fica-lhe mal esta conversa de “voz do dono”, inevitavelmente contaminada pela mediatização das sucessivas escandaleiras de Sócrates, cuja base de existência descaradamente coloca em causa refugiando-se no legalismo reinante no nosso Rectângulo;
3 – fica mal a Vital Moreira meter as suas cândidas e tecnicamente competentes mãos na mixórdia que é o folhetim das escandaleiras socratinas (vida pessoal, habilitações, vida profissional, desempenho político, comportamento cívico), recheado de cromos repetidos, pressões, “faltas de provas”, eventuais prescrições, “campanhas” e contra-campanhas, com que cada vez mais o constitucionalista faz questão de se lamentavelmente identificar;
4 – não é muito normal que um homem com o passado político de Vital Moreira – um comunista dos quatro costados té ter descoberto o elevador rosa para a esfera celeste – venha cuspir pelo canto da boca o epíteto de “libertário” a quem quer que seja.    

Basicamente, o que este candidato vem dizer-nos é que, chegado à Europa, vai lutar para que ela – Coutada Azul-áurea dos bem-pensantes em que a pequenita coutada lusitana se encontra encravada – faça recuar a liberdade de expressão para dar espaço à “honra” e ao “bom-nome” de incertos (?).

O que, para além de ser um supremo insulto, é um absurdo prático: acautelar obssessivamente o “bom-nome” de quem o não tem (e seus congéneres) por exclusiva culpa própria, porfiar cegamente na guarda de uma “honra” em que já ninguém pegaria em saldos, limitando o direito a pô-los em causa…

De quem é tudo menos ingénuo, inofensivo ou impotente. 
Não bastando centrais de propaganda privadas, arregimentações dos advogados mais eficazes ou a bonomia de comunicações sociais nacionais por inteiro, ainda há quem pretenda ter (…que terá!) a sua lança numa Europa decrépita e indolente que lhe ampare as costas a escrutínios legítimos e justificados.

Mas a consciência nacional só se sentiria abanar por estas avarias nos seus pilares profundos… se pilares tivesse. Se não se mantivesse doentiamente assente sobre dois ou três pilaretes, num crónico equilíbrio precário e circense.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: