Xutos Para o Canto

Tem piada. Precisar de chegar a esta idade para começar a gostar de Xutos & Pontapés.
(Que em verdade, não foi bem o que aconteceu.)

Fizeram sair o último álbum – chamado originalmente… “Xutos & Pontapés”…

… – e finalmente decidiram-se pegar – mesmo que de leve – o boi pelos cornos.

Falo de uma tendência para a música portuguesa (e arte, em geral) viver castrada perante a realidade em que se desenvolve. Num silêncio incomodativo da parte de quem deveria por conceito deter a máxima sensibilidade ao pulsar da sua sociedade e dá-lo a ver. (“Silêncio” quando não romance ou vida de cama com os poderes instalados.)

Que os Xutos agitaram.

No álbum ouve-se o tema “Sem eira nem beira”.
Que fala de um “engenheiro” a quem se pede um bocadinho de atenção.
Que refere esta “merda” que não muda.
Que acusa os ricos de saírem impunes e os pobres nem por isso.
Que denuncia a roubalheira que impera em Portugal.
Que fala das cumplicidades.
Que lamenta a falta de mudança de mentalidades – que não chega.

…O que já não é mau.

Finalmente – no seu Português de estivador e numa canção que enfim… – a banda assume que é capaz de fazer o que já se faz muito mais e muito melhor em países mais democráticos: os durões roqueiros serem um bocadinho mais contundentes com quem devem do que simples passeios em Festas do Avante e outras tretas de corte e reverência.

Por este rasgo, parabéns.
Subitamente – por uma vez – o País vê a possibilidade de pôr no canto o que lhe vai dentro. Que é tão rara.

Xutos & Pontapés
“Sem eira nem beira”

Anda tudo do avesso
Nesta rua que atravesso
Dão milhões a quem os tem
Aos outros um “passou bem”

Não consigo perceber
Quem é que nos quer tramar
Enganar, despedir
Ainda se ficam a rir

Eu quero aquerditar
Que esta MERDA vai mudar
E espero vir a ter uma vida bem melhor
Mas se eu nada fizer
Isto nunca vai mudar
Conseguir encontrar mais força para lutar

Mais força para lutar
Mais força para lutar
Mais força para lutar

Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Não tenho eira nem beira
Mas ainda consigo ver
Quem anda na roubalheira
E quem me anda a comer

É difícil ser honesto
É difícil de engolir
Quem não tem nada vai preso
Quem tem muito fica a rir

Ainda espero ver alguém
Assumir que já andou
A roubar, a enganar
O povo que a
querditou

Conseguir encontrar mais força para lutar
Conseguir encontrar mais força para lutar
Mais força para lutar
Mais força para lutar

Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Não tenho eira nem beira
Mas ainda consigo ver
Quem anda na roubalheira
E quem me anda a FODER

Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Mas eu sou um homem honesto
Só errei na profissão

Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Não tenho eira nem beira
Mas ainda consigo ver
Quem anda na roubalheira
E quem me anda a…

Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Dê-me um pouco de atenção

Advertisements

2 Responses to “Xutos Para o Canto”

  1. Henrique Says:

    De acordo! Já têm idade para dizer coisas com algum significado.

  2. Rir-se Três Vezes « Pedro_Nunes_no_Mundo Says:

    […] Mas, Por Partes…Deltóide Latejante on O Arcanjo. Mas, Por Partes…Henrique on Xutos Para o Cantopedronunesnomundo on Sumo ArtíficeO Papa e as misérias humanas em África | E Deus tornou-se […]


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: