A Caça ao Estúpido

socratedghs

Afinal parece que a malta das notícias já se vai descosendo, como eu pedia.
Não só já o Sol, mas a SIC, a TVI, o Correio da Manhã, o Expresso, o Diário de Notícias e outros avançam com “investigações”, informações, cruzamentos de dados, análises e questões formuladas directa e indirectamente aos protagonistas, numa maré de perda de respeito ao dono e de zarpar rumo ao que é o seu trabalho sério: fuçar na lama e encontrar as trufas.

É a isso que todos temos direito. É isso que nos confere o código deontológico do jornalismo.

“Parece” que houve asneirada da grossa no nascimento do Freeport de Alcochete. E que está a vir à tona.

freeport-pm-em-xeque_dest1

Houve uma conferência de imprensa, dada live, de urgência, pelo Sr. José Sócrates Pinto de Sousa sobre o caso Freeport (daqui em diante referido como Fripóre.)
Que colocou o País na posição em que prefere estar:  a da Caça ao Estúpido.

Na conferência disse então Sócrates sobre o Fripóre:
não se lembra da conversa que teve com o tio sobre pagamentos ilícitos de 4 milhões de contos para aprovação em Portugal, durante um “Governo” em que estava, do maior outlet de toda a Europa;
2º a única reunião em que esteve presente foi convocada pelo Presidente da Câmara de Alcochete à data;
3º aliás, o processo de licenciamento do Fripóre não contou com nenhum tratamento de favor da parte do Ministério de Sócrates, nomeadamente um especial desembaraço;
4º e muito menos teria o Ministério de Sócrates favorecido os promotores do Fripóre ao torcer as regras ambientais que regem o País e a União, reajustando limites de uma Zona de Protecção Especial da Natureza…

…O que não podia estar mais em contradição com os factos até aqui apurados, parecendo ser a afirmação peremptória de cada um destes pontos um evidente risco para quem o faz.

50912-42

O já famoso tio de Sócrates afirmou com todas as letras que ajudou os senhores que queriam fazer o Fripóre a reunir com o sobrinho – mal-agradecidos que nem obrigado lhe disseram – porque “um gabinete de advogados” os informara que o preço de aprovação do projecto eram “4 milhões de contos“, ao que responderia Sócrates ao familiar que não era nada disso, “ele é que tratava desses assuntos“.
(…Sendo muito interessante que Sócrates não tenha depois mexido um dedo para apurar isso de andarem a pedir milhões a terceiros sob pretexto de aprovação de projectos sob a sua alçada!…)
Mais: um primo de Sócrates terá mesmo exigido aos senhores do Fripóre um pagamento pela intervenção da família no processo.
Pontos 1 e 2 ao ar. (Mesmo que Sócrates renegue a família aspergindo-a com água benta.)

adeusfamilia
Sobre a estranha eficiência do processo de aprovação do Fripóre fica tudo dito no taxativo despacho do primeiro juiz de instrução do caso, que considerou encontrar nele “várias irregularidades e uma celeridade invulgar“.
Sobre os – chamemos-lhes – “ajustes” que a Zona de Protecção Especial sofreu às mãos do Ministério do Ambiente a três dias de saída de funções, não só a SIC apresentou um boneco que torna tudo muito claro, como o Secretário de Estado do Ambiente que veio depois de Sócrates confirmou o que era por demais sabido: que a União Europeia veio a chumbar as alterações do Ministério do “Engenheiro” e as obrigou a recuar.

Tudo num sentido diverso do afirmado pelo Primeiro-Ministro.

Ou seja, esperemos que, mais uma vez, Sócrates não tenha falado demais embaraçando-nos a todos.


É que já houve outro momento extremamente embaraçoso para todos com características semelhantes estas, envolvendo o “sr. Engenheiro”.
Regressos ao passado, suspeitas de irregularidades, “estão todos contra mim!“, grandes esclarecimentos ao País“, “não é assim que me derrotam!“, lágrima no canto da alma, “não foi isso, foi parecido“, “ai que eu não me lembro!“, “eu andei foi com más companhias“, “mas alguém consegue provar alguma coisa?!“… Fim!

freeport-memoria-sobrinho
Daí eu falar da Caça ao Estúpido.

Não me interessa tanto saber se Sócrates meteu ao bolso dinheiro que não devia.

freeport-empresario-queria-comprar-ministro_deta

Não me interessa se Sócrates admite conversas com o tio e se elas os comprometem.
Ou se gente à sua volta ganhou com o caso o que não podia ter ganho.
Não me interessa.

…Ou melhor, interessa-me muito. Imenso!

Não preciso é disso para formular uma opinião.
Para me colocar ao lado ou contra gajos que “apenas” pelo que é garantido que fizeram, que “apenas” pelo forma como o julgam desmentir, facilitam muito a vida a quem queira decidir-se.

E a Caça ao Estúpido consiste exactamente nisto: ficar à espera. À espera que alguém em qualquer processo tenha sido tão terrivelmente estúpido que tenha metido a pata na poça. Que tenha cometido a estupidez suprema de deixar pontas soltas, rabos de palha a descoberto, em ilícitos criminais.
E fazer depender a opinião individual a que estamos obrigados do sucesso de uma caça a gambuzinos.

É isso o ficarmos à espera que “as entidades competentes” “apurem” e depois “se pronunciem”. Assim tipo, para não ser “injusto”, para não parecer “parcial” e tal…

Até lá, deixamos correr. Achamos indiferente – porque é achar indiferente o não apertar de imediato os calos a quem percebemos que meteu os pés pelas mãos onde eticamente lhe era vedado.
Deixamos correr. Porque é muuuuito mais confortável e a co
nsciência já não é o que era, nem a dos políticos nem a dos cidadãos.

Ora, as “entidades competentes” só podem pronunciar-se sobre o que é do âmbito estrito das investigações.
Só se podem pronunciar sobre matérias do âmbito da violação da lei.
Só se podem pronunciar sobre o que em Portugal faz prova.
Só se podem pronunciar no tempo próprio dos processos.

Eu não preciso das “entidades competentes” para julgar gravíssimos erros políticos – que elas não arbitram.
Não preciso
das “entidades competentes”para ter opinião sobre evidentes bizarrias técnicas – a que elas não chegam.
Não preciso de ficar à espera dessas “entidades” quando sei que a haver provas de violações de lei – caso do famoso vídeo inglês – pode dar-se o caso de elas não poderem sequer julgar à sua luz.
Não vou de certeza ficar
meses à espera de uma Justiça convenientemente morosa que se não me garante eficácia nem neutralidade, muito menos a solicitude que me permita uma opinião e uma posição como cidadão em tempo útil.

Por isso, boa caça. A quem gostar dela.

A minha conversa é outra.

Advertisements

2 Responses to “A Caça ao Estúpido”

  1. Coutada Azul-áurea « Pedro_Nunes_no_Mundo Says:

    […] de Sócrates, cuja base de existência descaradamente coloca em causa refugiando-se no legalismo reinante no nosso Rectângulo; 3 – fica mal a Vital Moreira meter as suas cândidas e tecnicamente […]

  2. Lavon Says:

    Hot damn, loinokg pretty useful buddy.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: