Portugal…

Portugal é aquele meu parente de que ninguém gosta, nem sequer eu, mas que só eu tenho direito de criticar, porque afinal… sempre é família.

Eles andem aí“. Até em Braga!
Curioso.


“- Bom dia, desejava fazer um depósito.”

“- Não, obrigado, sobre levantamentos ou transferências nem quero saber!”

A tradição já não é o que era. Porque a parte que não interessa da tradição sempre foi o que continua sendo.
Got it?
Poliglotismo e cosmopolitismo.
…Ou mera ingnorância resignada.
(Especial atenção para o verbo desclocar – eventualmente da família de “cloaca”. O que justifica a interdição de se desclocar no espaço confinado de um teleférico.)

A riqueza toponímica de um País de poetas.

Uma espécie de marxismo comercial em País de “revoluções”.
Se não fosse a malvada antítese prática da abundância a desmontar a tese…

A “sinalização narrativa” do Minho: tão bem me lembrava dela.
E em que saudades me trazia…

O fino recorte de um País de coisas engraçadas.

Pequeninos mas não acanhadinhos.
(Estou em crer ser gestor do melhor blog Pedro_Nunes_no_Mundo do mundo. Sem falsas modéstias…)

Princípio do utilizador-pagador aplicado a um serviço que se paga utilize-se-o ou não.
É Portugal.

A “bola”. Que se assume identidade e essência de um povo embasbacado.

Portugal: um gene que nos constitui e por isso não fica para trás – bênção para os degredados, maldição para os nauseados do seu peso.
Portugal, que assalta a cada passo a memória e a razão.

“Xosé Cid”. A referência. Presença em terra distante.
(Passe qualquer variação ortográfica de somenos.)

“Circo de Portugal”? Não pode ser só cisma minha!
(Nem na “Praia das Passarinhas” a fuga se concretiza…)

Festival de palhaços. Também lá temos disso… vários dias por semana.

Uma Fantasinha avariada, comprada numa mercearia de bairro.
Just like home...


Ainda que às vezes a distância faça bem.
Aprender.

O tráfego urbano não é uma fatalidade. O caos não é inevitável.
Planeamento. Puro, simples, …e amigo do consumidor.

Sempre que sou controlado, tenho direito de sabê-lo. Porquê e os direitos que me assistem.

Gracias. Lá não é bem assim.

Um obelisco erigido na idade contemporânea, face a um imponente monumento da antiguidade, homenageando os gratos heróis da história.
Nós não nos admitimos nem elevamos desta forma.

Mas há esperança para Portugal.
Sempre houve.

Santuário da Senhora da Peneda – no Parque Peneda-Gerês – e respectivo hotel.
O turismo começa a ser descoberto como riqueza natural.

Castelo de Castro Laboreiro. E os seus curiosos caixotes do lixo a mais de mil metros de altitude por caminho de cabras.
Confidenciava-me aquele sujeito no Turismo que recolher o lixo é que não é pêra doce… Mas aplaudo a tomada de posição.

A “tal” iniciativa privada ou “sociedade civil”.

A empresa dst (Domingos da Silva Teixeira S.A.) lançou uma campanha que deu polémica na altura e que continua ainda nalgumas estradas portuguesa.
Muitíssimo mais agressiva que as campanhas da PRP, confronta cruamente com a brutalidade da morte na estrada.
(Apesar da triste coincidência das doenças sexualmente transmissíveis que salta à vista…)

Municípios e gentes como as de Melgaço.
Que de uma terra erma erguem um ponto no mapa que elude a sentença da interioridade e da deserção.

Homens como o senhor Moreira, do Barril, com as suas casinhas de xisto.
Talhadas numa cadeira de cabeleireiro recuperada, moldadas por devotadas mãos castigadas de pedra as horas de paciência numa adega de pipos e silêncio.

E uma ideia pessoal do mundo largo.

A emoção um pouco parola mas verdadeira da placa “Guimarães”.
(Um misticismo afinal tão acessível até aos mais concretos…)

Um País-raíz.
Um caminho que só nós sabemos qual é, onde leva, e por isso se trilha.
Uma verdade construída com mãos nuas.
Um passado, um presente, um futuro.

Mas não nos enganemos: um Portugal indolente, de facto, jamais vencerá o monte.

Advertisements
Posted in Uncategorized. Tags: , , . Leave a Comment »

Convite

Com o patrocínio da Junta de Freguesia de Loures, nasceu o I Torneio Internacional de Futsal do Concelho – o mais competitivo dos realizados na Área Metropolitana de Lisboa um dos mais relevantes a nível nacional.

Para apreciadores.
De futebol, desporto, de competição, de combíbio, desta terra ou só de sair um bocado ao fim-de-semana sem ser para se meter em centros comerciais.

Posted in Uncategorized. Tags: , . Leave a Comment »

Recordações de Verão b)

Posted in Uncategorized. Tags: . Leave a Comment »

Recordações de Verão a)

Posted in Uncategorized. Tags: . Leave a Comment »

Abichamento estival


Com a loja fechada, mas a abichar assunto para o regresso à realidade.
…Em que esta espécie de blog se inscreve.

(Postado na vila de Côja, Arganil, PT.)

Posted in Uncategorized. Tags: . 1 Comment »