Grandes Portugueses


Alain Finkielkraut; 30 de Junho de 1949, Paris, França

Sem dúvida, um tipo que fará parte da lista.

Eh pá!… Mas o gajo nem sequer é português!…
Olha, deixa lá, leva na mesma o meu voto.

Advertisements
Posted in Uncategorized. Tags: . Leave a Comment »

O que é que está a dar no outro?

Nostálgicas imagens, as da ida Roda da Sorte…
Quando a têvê era um pouco mais ingénua.
Quando um programa simples como um concurso mexia realmente com o País.


Imagens de um Herman quando ainda tinha graça – e a coragem de ser alarve.
De um Cândido Mota e a voz off de “Na Amora – Seixal!“.
De uma Rute Rita, sex sýmbola
com a presença e jovialidade de uma paralisia facial…
E de uma roda a rodar.

Mas nem tudo se perdeu.
O valioso património deixado pela Rute Rita vive ainda, preservado por uma irmandade de paralisados.

Quem tenha ouvido as declarações notáveis do senhor Primeiro-Ministro terá dissipado dúvidas.

Superior, satisfeito e de eguito pleno, disse-nos o nosso líder que reage aos protestos de cidadãos – que “curiosamente” se vão multiplicando pelo País como cogumelos – com “naturalidade, com fair-play e até com bom humor“.

O senhor, que “respeitosamente” discorda dos motivos dos protestos, perpetua assim a escola filosófica da mestra Rute Rita, que dizia de si mesma, lá para os distantes anos 80, ser “bonita, gira e inteligente“.

O engraçado é que na altura – era então o País (supostamente) ainda mais ingénuo – foi a risota nacional quando o “belo, giro e inteligente” adorno da Roda disse o que disse…
(Com direito a tanta chacota que o episódio ficou até ao dia de hoje.)


…No presente, todos ouvem, engolem e passam por vinha vindimada, quando um estranho sentido de humor selectivo leva a ignorar uma chicha apetitosa como o risível e ofensivo pedantismo do “natural, fair-playoso e bem-humorado” engº Sócrates.

Mistérios.

Posted in Uncategorized. Tags: , . Leave a Comment »

O farol fundido

Dailymotion blogged video

Garanto que tinha decidido já não falar deste assunto. O tempo passa e, pronto, deixa lá, que de desgraças está o mundo cheio…

Mas tanto se mete pelos olhos dentro o indivíduo em causa, que acaba mesmo por levar a “paulada“.

Sobre Miguel Sousa Tavares (de quem não conheço laços familiares com o engº Pinto de Sousa que nos governa) muito havia para dizer. (Como se pode comprovar no extensíssimo artigo da Wikipedia.)
Dos seus inúmeros trabalhos em tantos outros campos do saber; da sua abundante obra nos mais variados estilos; das infindas responsabilidades que assumiu em todo o tipo de lugar – e de que assumiu as consequências dos actos; dos seus incontáveis combates em causas sociais – com relevante prejuízo para a sua própria vida; enfim, das múltiplas marcas que ao passar foi deixando em todos os domínios
da sociedade portuguesa…

Muito haveria para dizer.
Só não me ocorre é nada!…

Por isso é que quando estoira a bernarda de que o excelentíssimo, na única coisa em que se lhe reconhece ponta de sucesso: o romancearismo, teria andado a roubar – este microfone está ligado?!… ROUBAR!! – texto de outros autores, dá vontade de chorar.

…Seguida de perto pela vontade de gargalhar a cair para trás quando se pensa na pose galaró com que o senhor todas as santas terças aparece na TVI a destilar banalidades, ódios e pleonasmos sobre tudo e sobre todos.
Afinal, o senhor, será igualmente bom a destilar plágios?

Quem vá a um blog chamado Freedomtocopy, (o homem é tão importante que até já o honram com blogs…) ou fica elucidado se tinha dúvidas, ou fica alucinado se não tinha noção do que está em causa.
Claro que como virtuosos dos bons, altivos faróis de virtude, daqueles que pululam e poluem Portugal, o bom do romancearista, o seu editor e mais uma comandita, claro que rejeitaram estas calúnias e infâmias lançadas sobre a “sua” obra bestséllera, ameaçando mesmo o másculo autor com “paulada“.

Mas vamos lá a ver se nos entendemos!…

Não está em discussão que o senhor tenha arrancado a capa de um livro e lhe tenha colocado a sua, apropriando-se do conteúdo recolhendo-lhe os lucros.
Não está em causa que o dito se tenha apropriado da coluna vertebral de uma obra e simplesmente lhe tenha montado em cima a sua narrativa.

Ninguém o acusou disso!

O que está em causa é o senhor ter ou não decalcado tradução de outra obra na sua, reclamada à “paulada” e sem cerimónias, sem aspas, notas ou remissões directas, colhendo descontraído os frescos frutos de um património literário universal que à sua vista está por aí à mão de semear, disponível para uso do autor mais desinspirado.
É só isto que está em causa.
E pelos vistos, é o que se verifica…

EXEMPLO:
«(…) O marajá de Gwalior, esse, era antes um obcecado pela caça: matou o seu primeiro tigre aos 8 anos e nunca mais parou – aos 40 tinha morto mil e quatrocentos tigres, cujas peles revestiam por inteiro todas as divisões do seu palácio. (…)»Miguel Sousa Tavares, «Equador», pág. 246, 1ª Edição, 2003

«(…) Bharatpur bagged his first tiger at eight. By the time he was 35, the skins of the tigers he’d killed, stitched together, provided the reception rooms of his palace with what amounted to wall to wall carpeting. (…) The Maharaja of Gwalior killed over 1400 tigers in his lifetime… (…)».Dominique Lapierre e Larry Collins, «Freedom at Midnight», pág. 174. 2ª Edição, 2003

Porque não é normal que chamada a refutar as acusações esta gente se refugie em becos sem saída do tipo “sujar o mérito de um trabalho de anos“, ter sido apropriado um “tema secundário do romance“, o não haver “plágio no sentido estrito do termo“, o senhor ter referido o texto rapinado como “fonte histórica do escritor“, dizer que “há coincidências entre as obras, que são três ou quatro personagens históricas e factos históricos, […] o que é absolutamente banal” ou mandar os acusadores “bardamerda” (sic) (24 Horas).
É muuuuito
mau sinal.
Quase tão mau quanto o senhor editor da obra, António Lobato Faria, da Oficina do Livro, proclamar que não está “demasiado preocupado, porque […] o assunto terá pouco impacto a médio prazo. […] Equador continua a revelar um bom investimento.
Isto não é normal.

E já agora, também é anormal que os media se metam de cabeça em assuntos destes. Primeiro anunciando do que não tenham certeza. Depois explorando o ângulo do sangue que pode dar. Por fim tomando partindo do infeliz que precisa que no meio da rua os media lhe façam a lavagem da honra em barrela pública.
Concretamente, que o DN escreva “o suposto “plágio” resume-se, na verdade, a apenas três páginas“, que o autor “não plagiou” (sic), que fale de uma “falcatrua primária” (referindo-se à acusação de plágio), ou que o DN “concluiu que esta é infundada“.
Isto não é normal.

Porque há-de valer mais um julgamento sumário da matéria e dos acusadores chancelado pelo “DN” que a denúncia com apresentação de prova pelo tal blog?
Porque há-de valer mais uma justificação circular e rabejada que uma explicação exemplificada?

Já agora, porque há-de valer mais uma acusação rancorosa, insultuosa e (assumidamente) insinuosa de Miguel Sousa Tavares sobre a autoria das acusações – atacando autores e não texto -, do que um questionamento directo da idoneidade da sua obra – em primeira análise texto e só como consequência autor?

Diz Miguel Sousa Tavares que “Um blogue não pode ser uma manifestação de liberdade se não houver responsabilidade. Assim, é mera libertinagem“.
Tem razão.
O mesmo se pode dizer de muitas posições e atitudes que tem tomado – e de como as tomou – ao abrigo dessa liberdade que sabe exercer, mas que por enorme falta de responsabilidade tem tendência a alibertinar.

O que não faz valer tudo, mas a tudo dá uma grossa camada de ridículo. (Saiba-o a quem toca reconhecer…)
Um boneco de Miguel Sousa Tavares “totalmente indefeso e vulnerável” perante as acusações é um quadro de muito mau gosto e já vem muito tarde.
A prova? Está à vista na TVI numa próxima 3ºfeira.

Posted in Uncategorized. Tags: . Leave a Comment »

Entroncamento

Nesta web tão larga, como em tudo, há os relevantes e os transparentes.
Os presentes e os aspirantes.
Os frequentados e os frequentadores.

Sendo o Pedro_Nunes_no_Mundo dos segundos de todos estes.

Foi por isso que com gosto e curiosidade me apercebi da primeira linkadela para este blog.
Metade fenómeno do Entroncamento, metade natural entroncamento de percursos que seguem próximos.

…Ao Letras com Garfos, o reconhecimento.

Posted in Uncategorized. Tags: . 1 Comment »

Identidades II

Parece que o PSD vai mudar de roupagens. (Estes processos de crisálida a borboleta são sempre muito engraçados.)
Esperemos que mude por causa de si mesmo e não por modernices como as “alterações no mundo”.
Que mude porque se sente mudado e não porque pensa que lhe fica mal não dizer que, mudando tudo, não muda ele também.

O “Militante Número Um” do partido (isto soa um bocado a Assembleia-Geral do Benfica…) deu o mote.

Seja como for, não é avaria nenhuma.
dizia um velho marujo que nisto de marés, só há a cheia, a vazia e uns tempos mortos no meio.

Posted in Uncategorized. Tags: . 1 Comment »

Sem Comentários 2

Posted in Uncategorized. Tags: , . 1 Comment »

ESTE HOMEM também É UM MENTIROSO

Já o repeti à exaustão. Não vou gastar tempo a desenvolvê-lo outra vez.

Mas este homem, no que toca a Educação já disse o que tinha para dizer, já disse mais do que a decência lho permitia e deixou para sempre por dizer o que era inprescindível que se dissesse.
É essa qualidade do seu diálogo.

Então, na falta absoluta de espaço para a intervenção numa questão actual, premente, que o País exige cada vez mais ver resolvida, nada lhe resta de discurso. E delira.

O delírio da repetição mecânica de fórmulas e sentenças.
O delírio da concepção irreal de como a sua vida política e a do País estão a correr.
O delírio da invenção de factos.

Delira. (Merecendo o benefício da dúvida de que não esteja a brincar com os portugueses ou que não esteja permanentemente a manipulá-los.)

Parece que o Primeiro-Ministro terá dito publicamente que se encontrava “satisfeito com o acordo alcançado em torno do novo Estatuto da Correira Docente“.
O que é no mínimo absurdo, uma vez que, como se sabe, o desejado acordo – o acordo dependente de um diálogo estragulado pelas mãos do Ministério da Educação – ainda não viu a luz.

Porque se o engº Sócrates fala de “acordo” referindo-se ao entendimento razoável que sempre existiu sobre a existência de uma avaliação do desempenho na Carreira Docente ou sobre uma diferenciação salarial assente na existência de escalões a que se acede através dessa mesma avaliação, estamos entendidos.
Mas se só agora (?) o Governo o entendeu (?), tal deve-se a uma dificuldade própria de compreensão (?) e não a novos momentos de negociação e “acordo” com sindicatos ou outros.

Para os cínicos, isto parece uma atitude e um percurso à la Mao.
Uma Grande Caminhada, uma Campanha do Aço em que ninguém deve pôr em causa a genialidade do timoneiro, a verdade dos seus fins ou a escolha dos seus meios.
Temos a mão paternal que nos guia, o livrinho com a rota. Nada pode correr mal. De que temos a queixar-nos?

…Parecem é já muitas as mentiras para não terem uma resposta à altura.